quarta-feira, abril 27, 2016

Flying ¨V¨ Gibson:A Guitarra do Metal

Hoje vou falar de uma lenda relacionada diretamente com o Metal e Hard Rock: A guitarra Flying V. Esse assunto muito me interessa, pois sou adepto desse modelo desde 1984. Vamos à sua história:O primeiro protótipo desta guitarra foi feito pela Gibson em 1957. Ela, junto com a Futura, X-Plorer e a Moderne, iniciaram uma linha da guitarras modernistas desenhadas pelo então presidente da corporação, Ted McCarty. Estas guitarras vieram com o propósito de dar uma cara mais futurista à Gibson, mas elas inicialmente não vingaram. Depois do seu lançamento, em 1958, a linha foi interrompida em 1959.


No meio dos anos 60, guitarristas como Albert King, Lonnie Mack, Dave Davies e Jimi Hendrix, na procura de um visual mais arrojado e um som mais poderoso, começaram a usar Flying Vs. O interesse fez com que a Gibson pensasse em relançar o modelo.
E em 1967 ela de fato relançou o modelo, com algumas pequenas mudanças. Este modelo é agora o padrão para a Flying V ou, como a Gibson agora a chama, V Factor.
Muitas outras marcas de instrumentos copiaram este modelo, muitas adicionando o seu "toque pessoal" para evitar qualquer complicação com a Gibson.A partir do final dos anos 70 ela foi definitivamente adotada por muitos ícones do metal e Hard Rock. K.K. Downing (Judas Priest), Rudolph Schenker (Scorpions), Michael Schenker, Dave Mustaine (Megadeth), James Hetfield (Metallica), Randy Rhoads, são alguns exemplos de guitarristas que adotaram a Flying V.Eddie Van Halen gravou algumas faixas com a Flying V, dentre elas “Hot for Teacher”, uma das maiores pauladas da banda.Sua imagem é tão relacionada ao Metal, que frequentemente é usada em logos, ilustrações e até capas de albuns de bandas nesse estilo (Triumph, Accept, Michael Schenker…)

Porém, seu timbre e sonoridade, além de atender às necessidades dos Heavies, também se sai muito bem em outros estilos. Os blueseiros citados no começo da matéria que o digam. Nesses 26 anos de estrada com a Flying V, posso dizer que já enfrentei todo o tipo de situação com ela. Seu timbre é bem projetado e forte como o das outras Gibsons, porém comparado com a Les Paul, ela tem mais graves e menos médios. É menos cortante nos solos e mais aberta nas bases, talvez por isso mais usada no Metal do que no Rock clássico.
Na minha opinião, seu som é tão equilibrado que se encaixa em qualquer estilo. Já toquei até Standards na posição do captador grave e ficou muito bom. Se você colocar o recurso de splitar os captadores, da pra tocar até country. Além disso, a Flying V é uma guitarra bem leve (pra quem tem problema nas costas).Ela tem apenas 2 problemas (para alguns):
-Seu formato não é anatômico para tocar sentado
-Seu visual assusta quando se vai enfrentar outras gigs que não sejam Rock....quer saber?...Fuck Off!!Quem toca com Flaying V não vai ficar sentadinho procupado com a opinião dos outros!"Long Live Flying V"!

Por:Fares Junior

6 comentários:

  1. Eu adoro o som das suas guitarras,especialmente da flying v.....adorei sua matéria!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Dr.Rock mandou muito bem. Ninguém escreve de guitarras como você.
    Keep on Rock. Vermelho

    ResponderExcluir
  3. Boas!
    Juninho,
    Mais um petardo..Aliás desde o 1ºH.E. no CSJT nas aulas de redação do Jadon quando competíamos os "búfalos" contra os "CDfs" com direito a placar no quadro negro e etc (lembra?) já eras inusitado e criativo...Parabéns!
    Aproveitando a matéria e desculpe a ignorância, o famigerado pick-up G57 surgiu com o nascimento da Fying V ou mera coinsicdência entre o ano de nascimento o o modelo do cap?
    valeu!
    Bicudo.

    ResponderExcluir
  4. Benefits will probably be shown if used 30 minutes every day.


    my weblog: Flex Belt Review

    ResponderExcluir