domingo, fevereiro 03, 2013

Echoes - Pink Floyd

Da esquerda para direita: David Gilmour, Roger Waters, Richard Wright e Nick Mason
 
Nos clássicos do rock, vamos falar sobre “Echoes”, uma verdadeira obra prima. A faixa com quase 24 minutos está presente no álbum “Meddle”, lançado em 1971, pelo Pink Floyd. Echoes nasceu a partir de sons construídos por cada integrante do grupo. Estes sons foram colocados sobrepostos numa sequência, formando um todo. Uma curiosidade, que vale a pena ser mencionada, é que, antes de ser gravada no álbum, era apresentada ao vivo com o misterioso título “Return To The Sun Of Nothing”, com a letra totalmente diferente da versão estúdio. Traduzindo, algo como “Retornar ao sol do nada”. Misterioso. Enigmático. Bota enigma nisso! Realmente Pink Floyd nessa época andava envolto em nuvens nebulosas de mistério. "Echoes" é uma grande suíte com vários compartimentos diferentes dentro da mesma faixa. Na realidade tornou-se uma peça musical com: inicio, desenvolvimento, inúmeras transições, parte totalmente caótica, clímax, até chegar ao santuário. Inicio e desenvolvimento: A peça inicia-se com o teclado de Wright dando notas mágicas, sugerindo ecos sonoros. Quando entra todo o instrumental surge uma aura de viagem intergaláctica.  A partir dai, a belíssima linha vocal de Richard Wright e David Gilmour cantando juntos dão um tom celestial, com uma suavidade impar. Transição e clima caótico: Durante esse momento da música, os integrantes da banda demonstram todo seu entrosamento instrumental. Passagens atmosféricas espaciais profundas, nebulosas, místicas. Aqui o experimentalismo é elevado a níveis estratosféricos! Com direito a solos sublimes de David Gilmour, o rei da harmonia. Destaque também para a bateria space tribal de Nick Mason. Ao fim dessa parte, há uma preparação do terreno para a entrada no Santuário. Santuário:  Um retorno à linha vocal de rara suavidade da dupla Wright&Gilmour, e o instrumental retorna mais agudo e com maior intensidade! De emocionar, grandiosa, épica!
Piazza Anfiteatro - Pompéia/Itália Pink Floyd tocando ao centro
 
Nessa época do álbum "Meddle" mostra uma banda no inicio do ápice de sua forma. Aqui os integrantes participavam mais ativamente e democraticamente das composições. Ainda não existia aquela coisa de a banda de Roger Waters ou a banda de Gilmour. As performances de "Echoes", "A Saucerful of Secrets" e "One of These Days" foram filmadas entre 4 e 7 de outubro de 1971, no Piazza Anfiteatro, na cidade Pompéia, Itália. Detalhe: Somente Pink Floyd, engenheiros de som, e pessoal de produção. Sem platéia alguma. Explorando a acústica do anfiteatro. Abaixo vc confere uma das apresentações mais históricas do rock!
 
Não esqueçam de dar pause no Play da rádio 
 


Por Juniorock
juniorock@stockrockradio.com.br

2 comentários:

  1. Nick Mason fala sobre Echoes em seu livro Inside Out:
    "Sem novas canções, planejamos inúmeros exercícios para tentar acelerar o processo de criação das ideias musicais. Isso incluia tocar em trilhas separadas sem referência do que o resto de nóes estava fazendo - até formulavamos uma estrutura básica de acordes, mas o rítmo era aleatório. Simplesmente sugeriamos climas na seguinte maneira "dois primeiros minutos romântico, próximos dois minutos com andamento acelerado". Essas notas sonoras foram chamadas de "Nothings 1-24", e a escolha do nome foi adequada. Depois de algumas semanas nada de muito valor emergiu, e com certeza nada de canções completas. Havia poucas ideias que valiam a pena trabalhar."
    "A peça mais útil era simplesmente um som, um único ataque de uma nota no piano e tocada através de uma caixa leslie. Esse curioso equipamento, normalmente usado com um órgão Hammond, emprega um cone rotatório que amplifica o som dado. O cone, girando a uma velocidade variável, cria uma efeito Doppler, assim como um carro passando pelo ouvinte a uma velocidade constante aparentando mudar a nota enquantro ele se afasta. O som do piano foi mandado para a Leslie e essa maravilhosa nota de Rick tinha a mesma característica do som produzido pelo Asdic, o sonar rastreador de submarinos. Nunca conseguimos recriar essa nota com precisão no estúdio, especialmente a particular ressonância entre o piano e a Leslie, então a versão demo foi usada no álbum e mixada na trilha final. Combinada com uma reflexiva frase de guitarra de David, possuíamos inspiração o suficiente para idealizar uma peça completa, que evoluiu para "Echoes"; a sua forma final , levemente sinuosa, dá uma sensação bastante agradável de um andamento lento e de uma longa construção. Isso nos pareceu um real desenvolvimento das técnicas que haviamos entendido em A Saucerful of Secrets e Atom Heart Mother."
    "O som da guitarra da seção intermediária de "Echoes" foi criado inadvertidamente por David quando ele ligou ao contrario o pedal de wah-wah. Às vezes, grandes efeitos são o resultado desse tipo de acaso, e estavamos semprepreparados para ver se alguma coisa funcionaria em uma faixa."
    "A versão final de "Echoes", com a duração de vinte e dois minutos, ocupou um lado inteiro do disco. Diferentemente da tecnologia do CD, o vinil impunha certas restrições, uma vez que passagens altas ocupavam maior superfície, mas de qualquer forma, mesmo se tocando pianissimo durante todo o tempo seria difícil gravar gravar mais de meia hora em um lado do disco. Agora precisávamos encontrar o resto do disco. Parece um pouco estranho em retrospectiva o fato de que colocamos "Echoes" no lado B. Talvez seja porque ainda pensávamos sob a influência da gravadora, deveríamos ter algo adequado para se tocar nas rádios abrindo um álbum."

    ResponderExcluir
  2. Muito legal as declarações de Nick Mason. Informações ricas e esclarecedoras! Valeu Zé Pinta, fico grato. Muito útil para enriquecer a postagem!
    Juniorock

    ResponderExcluir