segunda-feira, abril 11, 2011

A Saucerful Of Secrets-Pink Floyd (1968)

A Saucerful Of Secrets é o segundo álbum de estúdio do Pink Floyd, sendo lançado em junho de 1968 pela Columbia (EMI) no Reino Unido e em julho de 1968 nos EUA. O único álbum a reunir todos os integrantes que passaram pelo Floyd, ou seja: Syd Barrett (vocal/guitarra), David Gilmour(guitarra/vocal), Roger Waters (baixo/vocal), Nick Mason (bateria), Richard Wright (teclado/vocal); e marca o final da era Syd Barrett. Essa época marca também o impasse, as dúvidas sobre os rumos do Pink Floyd, uma vez que o genial compositor e membro fundador, Syd Barrett estava com sua saúde mental deteriorada e muito precária (em parte devido ao uso desenfreado de LSD), e já demonstrava sinais evidentes de sérios transtornos. A idéia inicial dos membros do Floyd foi chamar David Gilmour (amigo de infância de Barrett e Roger Waters em Cambridge) para substituir Syd Barrett em apresentações ao vivo, e manter Syd na banda, para composições e criações no estúdio. Mas, infelizmente, não deu certo! Syd Barrett já não tocava mais guitarra, ignorava os compromissos, e não participava mais da banda. E ficou a pergunta: O que seria do Floyd sem o seu gênio criativo? O processo de criação ficou distribuído entre todos os integrantes, com Roger Waters assumindo a liderança do Pink Floyd. Se o primeiro álbum “Piper At The Gates Of Dawn” foi marcado por muitas experimentações, em “A Saucerful Of Secrets” as experimentações foram elevadas a níveis muito maiores, e cada integrante do grupo pode contribuir de maneira mais efetiva, expandindo as possibilidades sonoras do Pink Floyd. A música do Floyd quebrava todas as fronteiras sonoras. Embora já não participasse ativamente da banda, esse álbum contou com a participação oficial de Syd Barrett, que saiu antes do lançamento do álbum, ou melhor, os outros integrantes “saíram” com ele. Esse álbum ainda conta com as influências de Barrett, o que é perfeitamente compreensível (indiscutível sua importância como compositor/músico e membro fundador), uma vez que essas influências sempre serão encontradas ao longo das obras do Pink Floyd; mas “A Saucerful Of Secrets” mostra com nitidez a intenção dos outros Floyds de buscarem novos rumos para a sonoridade da banda, e saírem da “Sydependência”. Vale lembrar que, além de amigo, David Gilmour foi professor de guitarra de Syd Barrett. Evidente que essa amizade com Barretts e Waters, facilitou muito seu entrosamento com o Pink Floyd. Gilmour já tinha forte ligação com a banda, além de ser um músico de muito talento, todos estes fatores contribuíram para se encaixar perfeitamente na banda. O disco: 1) Let There Be More Light, autoria de Roger Waters com 5’:38“ Vocais: Richard Wright, David Gilmour e Roger Waters. Essa faixa conta com uma base de baixo hipnótica, e também com o primeiro solo de guitarra de David Gilmour num álbum do Pink Floyd. 2) Remember a Day, autoria de Richard Wright com 4’:33” Vocal: Richard Wright, é uma belíssima faixa, com uma psicodelia e suavidade refrigerante, uma canção que te conduz a lugares muito confortáveis. Demonstra o enorme talento deste Floyd pouco valorizado pela mídia em geral. 3) Set The Controls For The Heart Of The Sun, clássico de autoria de Rogers Water com 5’:28” Vocal: Roger Waters, única faixa a reunir os 5 Floyds, nesta faixa tocam guitarra David Gilmour e Syd Barrett juntos. Destaque para a bateria tribal de Nick Mason. Uma faixa ímpar, envolta numa aura de mistério. Emblemática, nebulosa, viajante e progressiva, trilha sonora de uma viagem inter galáctica. 4) Corporal Clegg, autoria de Roger Waters com 4’:13”, Vocal:David Gilmour e Nick Mason, essa faixa tem aquele psicodelismo em tom de diversão, típico do “Piper At The Gates Of Dawn”, fala sobre um soldado com perna de madeira, e menciona a Segunda Guerra Mundial. Roger Waters disse que essa canção se refere a seu pai e suas dificuldades na Segunda Guerra. 5) A Saucerful Of Secrets, autoria Roger Waters/Richard Wright/David Gilmour/Nick Mason com 11’: 57”, nessa faixa os instrumentos buscam experimentações sem fronteiras, criando uma atmosfera sonora caótica . Após o caos sonoro atingir o clímax, nasce uma suavidade musical que conduz o ouvinte ao santuário. Uma obra prima do rock progressivo! 6) See Saw, autoria de Richard Wright com 4’:36”, Vocal de Richard Wright, outra bela contribuição de Rick, é uma balada em tom psicodélico. 7) Jugband Blues, autoria de Syd Barrett com 3:00', Vocal: Syd Barrett, é a última faixa dele a entrar num álbum do Pink Floyd. Uma boa oportunidade para curtir seus últimos momentos na banda. Esse álbum consolidou o rótulo da música do Pink Floyd como ”Space Rock”, e também podemos dizer que este disco é um dos marcos do rock progressivo. Longas passagens instrumentais, músicas de longa duração, desenvolvimento de um tema central, composições e arranjos complexos. Não é um disco de fácil digestão, pois muita gente conhece mais o Pink Floyd pelo “The Wall” e o “Dark Side Of The Moon”, mas na minha modesta opinião é um disco excelente, cheio de nuances e riquíssimo em detalhes sonoros!

Por Juniorock

Um comentário:

  1. Só isso.......Ta molezinha! Parabens Junão, só um fanzão do Floyd para armar uma dessas.
    Vermelho

    ResponderExcluir