segunda-feira, novembro 15, 2010

Stormbringer ; Deep Purple


STORMBRINGER




Certas bandas conseguem se colocar nos patamares mais altos da história do Rock And Roll, gerando relações de amor e ódio entre seus mais fervorosos fãs. Entre essas bandas, com certeza se encontra o Deep Purple. Ainda mais quando se trata de um disco da fase Coverdale/Hughes, no caso desse artigo, o Stormbringer.
A banda vinha do simplesmente matador Burn, onde ocorreram mudanças significativas na formação da banda com a entrada de dois sujeitos que se tornariam monstros sagrados da história do Rock: David Coverdale e Glenn Hughes.
Desde o Burn, essas duas vozes maravilhosas chegaram pra dar uma cara mais Black Music pro Deep Purple: Coverdale com sua “pegada” bluesística e dono de um timbre poderoso e Mr. Glenn Hughes, que considero o All Green do Rock, com sua influência Soul, seu alcance de nota invejável e um feeling que gera orgasmos múltiplos em quem quer que tenha o prazer de ouvi-lo.
Em Stormbringer, essa característica Black Music ficou ainda mais evidente, principalmente nas obras-primas Holly Man, Hold On e You Can’t Do It Right. Mas sem deixar de lado os riffs pesados como foi no caso de Lady Double Dealer e a destruidora Stormbringer. Talvez seja por essa razão que pra alguns ouvidos, esse álbum mereça algumas boas e seguidas audições pra que seja devidamente digerido. Também não é sempre que temos oportunidade de ter um dueto vocal com tamanho grau de refinamento, como é o caso da faixa Gipsy que considero uma música singular dentro da carreira do Deep Purple, pela ousadia da banda em colocar duas vozes cantando em intervalos diferentes durante toda a música. É claro que isso não é uma idéia exclusiva do Deep Purple pois outras bandas já fizeram isso, Só que em se tratando de Richie Blackmore, John Lord e Cia, me parece que Stormbringer foi um álbum onde experimentar novos caminhos pra banda era a regra principal, um álbum que talvez muitos não considerem como Deep Purple justamente por causa disso.
Porém, isso não tira em nada a genialidade do Deep Purple em trazer uma sonoridade que deixam satisfeitos os fãs do Blues, do Soul e do velho e bom Rock And Roll. Convenhamos que só o fato de um único disco satisfazer a tantos apreciadores de estilos musicais tão distintos, não deixa de ser um ponto a favor extremamente louvável, já que foram pouquíssimas as bandas que conseguiram conquistar os corações de tantos gregos e troianos com tamanha maestria. Trilhar outros caminhos, ignorando fórmulas onde eles já estavam consagrados, e conseguir criar algo do porte de um álbum como Stormbringer, realmente não é pra qualquer um. Não é à toa que essa banda fez parte da Santa Trindade do Rock And Roll, junto com Led Zeppelin e Black Sabbath. Atualmente, onde vivemos num mundo onde o mercado fonográfico está saturado de bandas à procura da tão sonhada “fórmula mágica” pra se vender discos, ter contato com a história desses caras e constatar o grau de ousadia que tiveram em se reinventarem, é algo pra se aplaudir de pé. Inclusive, nos dias de hoje.
E quanto àquela velha discussão, motivo de tantas noites regadas à cerveja com os amigos, sobre qual formação da banda é a mais matadora, a minha resposta é simples: SENDO DEEP PURPLE, PRA MIM, JÁ BASTA!!

Veja as possíveis capas deste incrível álbum clique: http://www.deep-purple.net/discography/stormbringer/stormbringer.htm
por: Dudé

Um comentário:

  1. Parabéns! Matéria excelente, e o disco também! É bom demais, relembrar estes clássicos, já que dificilmente os discos novos/bandas causam um impacto tão positivo.

    ResponderExcluir