terça-feira, janeiro 27, 2015

WOLFMOTHER - Energia Pura

Salve StockRockers!!Hoje apresento uma banda que foi mais uma dica da galera do Rio de Janeiro!Esta banda eu já havia escutado no canal Off e achei muito boa,porém acabei esquecendo de postar por aqui,mas graças ao grande brother Fernando Vallinoto,compartilho com vocês esta grande banda que é energia pura:"WOLFMOTHER"!
Banda Australiana formada em meados de 2004 no subúrbio de Sidney em um lugar chamado Erskineville.Os caras tocam um hard rock de primeiríssima qualidade misturando elementos de rock psicodélico com folk!Bem louco o som dos caras!
Em 2007 a banda conquistou o Grammy na categoria Melhor Desempenho de Hard Rock e na época os caras concorreram com bandas consagradas como System of a DownTool e Nine Inch Nails. As músicas "Dimension" e "Pyramid" foram incluídas no jogo eletrônico FlatOut 2.
A banda passou por diversas formações e após alguns hiatos em março do ano passado a banda voltou com força total lançando o álbum New Crown,álbum que vocês poderão curtir na íntegra abaixo.


LINE UP

Andrew Stockdale (Vocal,Guitarra)
Ian Peres (Baixo,Teclado,Backing Vocals)
Vin Steele (Bateria)

Então,chega de papo,aumentem o som e com vocês, Wolfmother com o álbum "New Crow".Não esqueçam de pausar o player do StockRock.Keep On Rocking!



Por Arná Taturana

segunda-feira, janeiro 26, 2015

Appetite For Destruction - Guns N' Roses (1987)

Appetite For Destruction é o álbum de estréia do Guns N’ Roses, banda americana, formada em Los Angeles/Califórnia em 1985. O álbum foi lançado em 21 de julho de 1987 pela gravadora Geffen Records. Na segunda metade dos anos 80, o cenário da música, mais especificamente do rock americano, era do estilo glam rock e metal farofa, muito mais para butique do que para atitude. Havia também bandas de new wave que começaram os anos 80 com muita força, muitas banda pop, e várias destas bandas mais preocupadas com o aspecto comercial, e havia um grande espaço vazio a ser preenchido, carente de uma verdadeira banda de Rock And Roll. Segundo Slash (guitarrista do Guns N’ Roses) numa entrevista para a revista Graphic Book, após 15 anos do lançamento do álbum: “Em toda Los Angeles, éramos os únicos cinco caras capazes de integrar aquela banda. Especialmente naquela época, meados dos anos 80. Aquela década foi, provavelmente, a pior de todas para a música. Havia um clima semelhante ao que existe hoje com o pop descartável de um lado e as bandas de metal mais contundentes do outro.” Esse relato demonstra como o Guns percebia o cenário musical da época. Antes de assinar com a Geffen Records, a banda morava, ensaiava e compunha num espaço bem pequeno, cheio de baratas e outras pragas, na esquina da Sunset com a Gardner Street em Los Angeles. Enfrentaram a pobreza e sérias dificuldades financeiras. Nessa ocasião a banda convivia com todo tipo de gente: amigos, seguidores da banda, prostitutas, malucos de plantão, viciados, strippers, traficantes, enfim, várias tribos. Os caras do Guns foram super determinados até chegarem à gravação do seu primeiro álbum. Batalharam muito por seus ideais e devoção a música. De acordo com as palavras de Steven Adler (baterista do Guns até meados de 1990, e dispensado do Guns devido ao vicio em heroína), descreve bem o espírito da banda: “Eu, Axl e Slash, a gente sabia o que queria desde os 11 anos", explica Steven Adler. "E agarramos aquilo com unhas e dentes. Não existia ninguém nem nada que pudesse ficar no nosso caminho. Eu queria ser o porra do Roger Taylor, do Queen. A gente queria ser igual ao Aerosmith, ao Kiss, ao Led Zeppelin - bandas assim." E segundo a biografia de Slash “Parece exagerado, mas não significa que não aconteceu”, a fase mais criativa do Guns, foi essa época que antecedeu a gravação de Appetite For Destruction. Uma fase com porres homéricos, drogas pesadas, sexo, prisões e muitas confusões. Tocavam no cenário underground, em lugares imundos e minúsculos, barra pesada, e onde passavam geralmente causavam tumultos. Os integrantes do Guns literalmente vieram das ruas de Los Angeles até se tornarem RockStars. O álbum retrata com fidelidade o estilo de vida da banda, e as inúmeras dificuldades até conseguirem gravar seu primeiro álbum. Essa agressividade, todas estas transgressões, rebeldia, selvageria, libertinagem, são ingredientes encontrados no álbum. Uma sonoridade direta, rápida, crua, típica do punk; com a pegada hard rock, cheio de riffs pesados e melodias marcantes. Somente para ilustrar, esse álbum conta atualmente com 40 milhões de cópias vendidas no mundo todo, e 23 milhões apenas no EUA. O Guns N’ Roses através do Appetite For Destruction veio preencher essa grande lacuna que havia na segunda metade dos anos 80. O Guns assumiu o posto de grande banda mundial (reinou durante o período entre 1988 e 1993), resgatando a atitude, originalidade, autenticidade e principalmente competência para fazer um som de muita qualidade! Valores estes que andavam sumidos, e eram encontrados facilmente no Black Sabbath, Deep Purple, Aerosmith, Led Zeppelin, Rolling Stones, e outras grandes bandas dos anos 70. Appetite For Destruction lançou faixas que se tornaram sucessos de imediato, casos de: “Welcome To The Jungle” (letra que retrata a vida difícil e dos perigos que se apresentam em uma grande cidade, é um hard rock rápido, agressivo e de muita qualidade, “Sweet Child O’ Mine” (nasceu através de um exercício de guitarra praticado por Slash , se tornou um hino do Guns, é uma das músicas mais tocadas nas rádios do planeta), “Paradise City” ( é a faixa contagiante, festeira, arrasa quarteirão, e geralmente encerra os shows do Guns, é uma música capaz de sacudir um estádio lotado). Na minha modesta opinião, esse álbum é um dos grandes clássicos do rock. Um grande álbum, de uma autêntica banda de rock and roll.
Formação do Guns ‘ N Roses em “Appetite For Destruction”:
W. Axl Rose: Vocalista
Slash: Guitarrista
Izzy Stradlin: Guitarrista
Duff Mackagan: Baixista
Steven Adler: Baterista

Capa do álbum alternativa, pois a capa original(foto no topo da página) foi proibida nos EUA e outros países, por ser considerada obscena e depreciativa.

Faixas do álbum:
1) Welcome To The Jungle 4’:31”
2) It’s So Easy 3’:24”
3) Nightrain 4’:26”
4) Out Ta Get Me 4’:24”
5) Mr. Brownstone 3’:49”
6) Paradise City 6’:46”
7) My Michelle 3’:40”
8) Think About You 3’:52”
9) Sweet Child O’ Mine 5’:56”
10) You’re Crazy 3’:17”
11) Anything Goes 3’:26”                                             
12) Rocket Queen 6’:15”
Por Juniorock

domingo, janeiro 25, 2015

Álbum ao vivo do Blues Pills

Blues Pills , banda que anda causando o maior frisson e cativando o público pelo mundo afora, anunciou o lançamento do seu álbum ao vivo, para dia 20 de março via Nuclear Blast. O novo captura as apresentações no Freak Valley Festival realizado em maio de 2014 na Alemanha. Vale lembrar que os Blues Pills tem somente um disco de estúdio na bagagem. A arte da capa (fig. acima) foi realizada por Marijke Koger-Dunham, que já havia feito a do primeiro deles. Abaixo você confere o tracklist:

1) High Class Woman
2) Ain't No Change
3) Bliss
4) Dig In
5) Black Smoke
6) The River
7) The Time Is Now
8) No Hope Left For Me
9) Devil Man
10) Astralplane
11) Little Sun

Por Juniorock

sexta-feira, janeiro 23, 2015

TeamxDeadx – Novo clipe do Dr. Living Dead

Os suecos do Dr. Living Dead divulgaram o clipe “TeamxDeadx” para a faixa presente no álbum “Crush The Sublime Gods”, que deverá ser lançado em 23 de fevereiro. Vale observar que a banda tem como característica o uso de máscaras em formato de caveira. A sonoridade é uma mescla de trash metal com hardcore. Abaixo você confere esse petardo. Não se esqueçam de pausar a Playlist acima.



Por Juniorock

quinta-feira, janeiro 22, 2015

Rolling Stones - Houston 1981


As vésperas de completar 20 anos de carreira, os Rolling Stones passaram por uma reinvenção entre tantas que a banda se submeteu para sobreviver. Com o sucesso do disco Tattoo You, um mês após seu lançamento, a banda caiu na estrada em grande estilo com 50 shows pelos EUA em estádios e arenas. Em média arrecadaram 1 milhão de dólares por show somente em ingressos. Nota-se que o profissionalismo também deu um grande salto, e talvez seja a turnê mais importante para o que viria ser a banda nas décadas seguintes.


PINTA@STOCKROCKRADIO.COM.BR

quarta-feira, janeiro 21, 2015

Fender Twin Reverb limpo e completo


Salve amigos das seis cordas! Hoje vamos aquecer nossa conversa com a ajuda dos amplis valvulados. Diante de tantas alternativas escolhemos o Fender Twin Reverb uma ótima opção para quem quer qualidade,timbre e versatilidade.

Apesar da extensa linha de produtos Fender , o termo "limpo Fender" é extensamente usado por guitarristas e imediatamente associado à um som cintilante, cheio e completo o instrumento em sua plenitude de frequências, de acordo com a sonoridade desejada na época de sua concepção(1965).Com suas pesquisas, Leo Fender conseguiu chegar a uma equalização que deixava o som da guitarra bonito e agradável, destacando-o na música. A sonoridade do Fender Twin Reverb está fundamentada nas válvulas de saída tipo 5881 (tetrodo de potência com feixe dirigido similar à atual 6L6), além da série 12ax7/12at7 na seção de pré-amplificação (preamp)1. Pelo seu som com elevado headroom (capacidade de oferecer som limpo em altos volumes) as diferenças de pegada (dinâmica) do músico e instrumento são bem nítidas, permitindo excelente atuação dos pedais de efeito, servindo muitas vezes como modelo padrão para testes e gravações de demonstração. Atualmente a Fender lançou´65 Twin Reverb¨uma reedição muito louca, pois os caras se preocuparam em manter a originalidade do ampli principalmente no que se diz respeito a sonoridade.


Até a próxima .Keep on Rock! 
por:vermelho

terça-feira, janeiro 20, 2015

Heróis da Guitarra Brasileira - O Livro Definitivo?

Boas StockRockers!Foi lançado ontem o Livro Heróis da Guitarra Brasileira na EM&T - Escola de Música e Tecnologia - fundada pelo guitarrista Wander Taffo.O livro chegou ao mercado em novembro do ano passado. 
O preço sugerido é de R$ 40,00.
Escrito pelos jornalistas Leandro Souto Maior e Ricardo Schott, "Heróis da Guitarra Brasileira" traz 176 páginas, conta a história da guitarra no Brasil e fala de artistas dos mais variados estilos como Pepeu Gomes, Lulu Santos, Armandinho, Herbert Vianna, Celso Blues Boy, Victor Biglione, Toninho Horta, Claudio Venturini e Frejat, entre muitos outros. Na obra, os guitarristas ganharam uma ficha com um resumo de sua carreira, incluindo influências e instrumentos usados.Seria este o livro definitivo?Claro que não,pois o tempo todo grandes guitarristas são descobertos por aqui em terras brasileiras e um melhor que o outro e muitas vezes estas feras da guitarra não tem o espaço que deveriam ter!Este livro chegou em boa hora para que os jovens que estão iniciando possam conhecer um pouco a história brasileira antes de ingressar a tocar covers de bandas de outros países.Claro que ao redor do mundo existem muitas bandas com guitarristas incríveis e se formos citar aqui a postagem ficaria enorme,porém temos que dar valor ao que temos em casa!Confiram o vídeo abaixo que os jornalistas falam de um dos guitarristas citados no livro,Sergio Dias Baptista dos Mutantes.Este vídeo faz parte de uma série produzida pelo jornal O Dia.Keep On Rocking!
Por Arná Taturana
Fonte e matéria original:http://www.territoriodamusica.com/

segunda-feira, janeiro 19, 2015

Electric- The Cult (1987)











Após o sucesso do seu segundo álbum, Love, a banda começou a trabalhar num álbum para implementar o seu sucesso. No verão de 1986, gravaram doze faixas no estúdio Manor, em Oxfordshire. Estas "Manor Sessions" foram supervisionadas por Steve Brown, que produziu Love. As doze faixas foram a base de um novo álbum, provisoriamente intitulado Peace. No entanto, no final das sessões de gravação, a banda não estava satisfeita com o som, e olharam para um novo produtor. A banda passou a re-gravar o terceiro álbum com o produtor Rick Rubin, com uma pequena diferença na ordem das faixas. Essas novas gravações tornaram-se no álbum Electric.
Apesar de todas as doze faixas das "Manor Sessions" terem sido retiradas inicialmente, quatro delas iriam se transformar em lados B de singles de Electric. Cinco delas Love Removal Machine / Wild Flower / Electric Ocean / Outlaw / Bad Fun apareceram numa edição limitada em EP - The Manor Sessions. Eventualmente, com o lançamento de Rare Cult em 2000, o resto do álbum de inéditos produzidos por Steve Brown foi disponibilizado.
Este álbum marcou uma mudança deliberada de estilo da banda de um rock gótico para uma banda de hard rock.
Uma banda que tem como front man Ian Astbury, não precisa muito para alcançar o sucesso já é meio caminho andado. Mas quando uma banda tem ainda Billy Duffy na guitarra, dono de riffs memoráveis, rock n´roll pra caramba e uma Gibson .Ai pode bater os pregos a banda esta completa.
Este álbum veio para preencher uma lacuna deixada pelo Hard Rock, muitos torceram o nariz na época mas o tempo mostrou que a fórmula dava certo.


Track List:
"Wild Flower" – 3:39
"Peace Dog" – 3:35
"Lil' Devil" – 2:48
"Aphrodisiac Jacket" – 4:10
"Electric Ocean" – 2:50
"Bad Fun" – 3:33
"King Contrary Man" – 3:32
"Love Removal Machine" – 4:17
"Born to Be Wild" (Mars Bonfire) – 3:55
"Outlaw" – 2:52
"Memphis Hip Shake" – 4:00

 por: vermelho

domingo, janeiro 18, 2015

We Built This House – Novo single dos Scorpions

Felizmente os Scorpions decidiram adiar a aposentadoria, e estão lançando “Return To Forever” dia 23 de fevereiro, em comemoração aos 50 anos da banda. Abaixo você pode conferir o primeiro single “We Built This House” apresentado em lyric vídeo. Não se esqueçam de pausar a Playlist acima.




Por Juniorock


sábado, janeiro 17, 2015

One Man Army – Novo clipe do Ensiferum

Os finlandeses do Ensiferum divulgaram o clipe oficial “One Man Army”, para a faixa-título do novo álbum (capa na fig. acima) que está saindo do forno. O lançamento deverá ocorrer dia 20 de fevereiro na Europa e dia 24 de fevereiro nos EUA, via Metal Blade Records. O último disco deles foi “Unsung Heroes” lançado em 2012. Formação atual: Markus Toivonen (vocais limpos e guitarra); Petri Lindroos (vocais rasgados e guitarra); Sammi Hinkka (baixo e vocal); Janne Parviainen (bateria); Emmi Silvennoinen (teclado). Abaixo você confere o petardo Folk Metal do Ensiferum. Não se esqueçam de pausar a Playlist acima.



Por Juniorock